Amamentação: dicas de como lidar com as dificuldades

Será que terei muito leite? Será que o bebê vai conseguir sugar direito? Amamentar dói? Essas e muitas dúvidas são comuns entre as futuras mamães, e se você é uma mamãe antenada não pode ficar por fora de um tema tão importante quanto esse, né? Confira tudo o que você precisa saber sobre leite materno e dicas de como lidar com indesejáveis probleminhas que possam acontecer.

Share Button

Amamentação: dicas de como lidar com as dificuldades

 

Será que terei muito leite? Será que o bebê vai conseguir sugar direito? Amamentar dói?

 

É normal que as futuras mamães tenham dúvidas sobre amamentação, afinal toda mamãe sabe o quanto o leite materno é importante ao bebê e quer poder oferecer o melhor ao seu pequeno, né? E como sabemos que as mamães que acessam nosso blog gostam de ficar bem informadas, vamos tratar desse assunto mais a fundo, ou seja, dando algumas informações úteis para quem está passando por essa fase, ou vai passar em breve, e até dicas de como lidar com possíveis dificuldades durante a amamentação.

 

A importância da amamentação

 

Estudos da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que o leite materno é capaz de reduzir em 13% as mortes por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos, um número bem maior do que as evitadas com vacina ou saneamento básico.

 

Os benefícios do aleitamento materno serão para a vida toda, pois além de contribuir para a nutrição da criança, também a protege contra doenças e infecções, e ajuda no desenvolvimento físico, cognitivo e emocional.

 

Alimentação adequada durante a amamentação

 

A fonte de vitaminas e nutrientes que o bebê receberá ao nascer virá através apenas do leite materno e para garantir que tanto ele quanto a mamãe fiquem fortes e saudáveis a mamãe precisa se alimentar bem. Para isso é recomendável que a mãe consuma uma variedade de alimentos, incluindo pães, cereais, frutas, legumes, verdura, derivados do leite e carne. Assim como na gravidez, enquanto a mamãe estiver amamentando nada de tomar bebidas alcoólicas, viu! Café e seus derivados também devem ser evitados ou consumidos com moderação. Ah e nada de dieta para perder peso durante essa fase!

 

Posições para a amamentação

Posições para amamentação

 

Dicas e curiosidades

1. A primeira amamentação dada ao bebê após o parto é essencial, o recomendado é que isso aconteça ainda na primeira hora de vida do pequeno.
2. A sucção é o maior estímulo à produção de leite, ou seja, quanto mais o bebê suga mais a mamãe terá leite.
3. O leite materno é um alimento completo, portanto até os seis meses o bebê não precisa de nenhum outro tipo de alimento (chá, suco, água ou outro leite).
4. É recomendado manter o leite materno até os dois anos, e a partir dos seis meses introduzir outros alimentos aos poucos.
5. A sucção que o bebê realiza durante a amamentação o ajudará a desenvolver dentes bonitos, a fala e a respiração.
6. Nos primeiros meses é comum que a criança mame com frequência e sem horários regulares, com o tempo ela estabelecerá horário mais regulares. É recomendado que a mamãe amamente o bebê sempre que ele quiser.
7. A amamentação ajuda a mamãe a reduzir o peso mais rapidamente após o parto. Além de reduzir o risco de diabetes e de desenvolvimento de câncer de mama ou ovário.

 

Amamentação: probleminhas que podem acontecer

 

Fissura ou rachadura

 

Motivo: acontece quando a pega do bebê ou a posição dele não estão corretas.

Como evitar: seque bem o mamilo, troque o sutiã quando estiver molhado e posicione o bebê corretamente, para esse último saiba que o bebê não pode sugar apenas com a boca no bico dos seios, ele precisa pegar a parte da auréola também, sua boquinha deve estar bem aberta, o lábio inferior voltado para fora e o queixo encostado na sua pele, se ele estiver fazendo barulho não é bom sinal, quando o bebê faz a pega corretamente não tem barulho, o leite sai em grande quantidade e a mamãe não sente dor.

Como tratar: expor as mamas ao sol ou luz artificial de 40 watts (com 40 cm de distância da lâmpada), passe um pouco do leite materno nos bicos das mamas (ele tem efeito bactericida e hidratante). Caso isso não funcione você poderá usar bico de silicone próprio para mamilos.

 

Ingurgitamento

 

Motivo: acontece quando a mamãe produz mais leite do que o bebê consegue mamar, quando isso ocorre, as mamas ficam mais duras e correm o risco de empedrar o leite.

Como evitar/tratar: colocar o bebê para mamar mais vezes e retirar manualmente o excesso de leite, podendo doar o mesmo para Bancos de Leite* e ajudar bebês prematuros que precisam.

 

Mastite

 

Motivo: acontece quando um dos seios inflama, causando vermelhidão na mama, deixando-a quente, avermelhada e dolorida. Ocasionando febre e calafrio na mamãe.
Como evitar/tratar: retirar manualmente o excesso de leite, se isso não for suficiente para a melhora da mãe é aconselhável procurar um médico.

 

O leite começar a secar

 

Motivo: isso pode acontecer quando a mãe volta ao trabalho, quando a criança começa a chupar chupeta ou mamar na mamadeira.

Como evitar/tratar: dar de mamar ao bebê sempre que ele quiser, pois quando o bebê suga ele faz com que a mãe produza mais leite. E se a mamãe começar a trabalhar é preciso retirar o leite manualmente de duas a três vezes por dia e conservá-lo em um recipiente limpo e com temperatura ambiente.

 

Diante de algum desses problemas, a dica geral é: continue a dar de mamar, esse é o melhor tratamento!

 

A importância da pega correta

A importância da pega correta na amamentação
*Bancos de Leite

São para atender a demanda de bebês prematuros e de baixo peso. Toda mulher que amamenta pode doar leite materno, para isso o Brasil conta com 213 Bancos de Leite e 141 postos de Coleta. Cada litro de leite pode atender 10 bebês recém-nascidos internados pelos problemas já citados.

 

Para fechar nosso papo sobre amamentação confira o depoimento da querida Flavia Calina, no vídeo abaixo ela conta como está sendo sua experiência e dá ótimas dicas de produtinhos que auxiliam a amamentação.

Fonte: Blog do Ministério da Saúde, Rede brasileira de Bancos de Leite Humano e Unicef.

 

Share Button